Palavra do Bispo




Cuidado com as tentações.





Queridos leitores do Boletim Participação de nossa Diocese. Que o Senhor vos dê a Paz!

Como reagir diante de tantas tentações que nos cercam no dia a dia? Tempo de quaresma, tempo oportuno para ajustar nossa vida com a vida em Deus e com os irmãos. Apresento esse tema, dentro do período quaresmal, como proposta de uma revisão de vida a caminho da Ressurreição. Como iluminação vou usar a passagem do Evangelho de Lucas 4, 1-13. Vejamos como Jesus reagiu diante das tentações do demônio:

“Naquele tempo, Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão, e, no deserto, ele era guiado pelo Espírito. Ali foi tentado pelo diabo durante quarenta dias. Não comeu nada naqueles dias e, depois disso, sentiu fome. O diabo disse, então, a Jesus: “Se és Filho de Deus, manda que esta pedra se mude em pão”.Jesus respondeu: “A Escritura diz: ‘Não só de pão vive o homem’”.O diabo levou Jesus para o alto, mostrou-lhe por um instante todos os reinos do mundo e lhe disse: “Eu te darei todo este poder e toda a sua glória, porque tudo isso foi entregue a mim e posso dá-lo a quem eu quiser. Portanto, se te prostrares diante de mim em adoração, tudo isso será teu”. Jesus respondeu: “A Escritura diz: ‘Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás’”.Depois o diabo levou Jesus a Jerusalém, colocou-o sobre a parte mais alta do Templo, e lhe disse: “Se és Filho de Deus, atira-te daqui abaixo! Porque a Escritura diz: ‘Deus ordenará aos seus anjos a teu respeito, que te guardem com cuidado! ’ E mais ainda: ‘Eles te levarão nas mãos, para que não tropeces em alguma pedra ’”. Jesus, porém, respondeu: “A Escritura diz: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus’”. Terminada toda a tentação, o diabo afastou-se de Jesus, para retornar no tempo oportuno”.

As tentações são um mistério na vida de todos os que procuram andar pelo caminho do bem. Sempre aparece alguma facilidade, no intuito de nos desviar dos objetivos. O tentador sabe como usar nossas fraquezas e debilidades para, justamente, propor compensações que nos afastam de Deus. Jesus, no entanto, nos mostra como vencer ao tentador, ancorados na Palavra de Deus, com oração e jejum. Não existe um modo ou recurso para não ser tentado, mas sim como vencer as tentações. Na verdade, é inútil pedir para não tê-las, o que temos que pedir é: "não nos deixeis cair em tentação". Importante tomarmos consciência disso, pois o Espírito Santo nos conduz até o deserto porque o deserto é necessário. O deserto é o lugar do encontro consigo mesmo, lugar do esvaziamento. É o lugar onde nos enchemos e nos preenchemos pela graça de Deus.

Pensando no momento atual, quais são as tentações que nos cercam? O que nos desvia do caminho do bem, da justiça e da fraternidade? Vamos aproveitar esse tempo quaresmal para ir ao deserto do nosso coração, lugar sagrado e afetuoso, preparado para fortalecer nossa fé, esperança e caridade.

Amparado no lema da Campanha da Fraternidade, finalizo com as palavras do profeta Isaías: “serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 127). Paz e Bem!

Dom Frei Cleonir PauloDalbosco
Bispo Diocesano

.







Palavra do Bispo




Conhecer para amar e servir.





Queridos leitores do Boletim Participação de nossa Diocese. Que o Senhor vos dê a Paz!

Estou há pouco tempo em Bagé. Quero afirmar que estou encantado com a beleza dessa região e com a hospitalidade e o carinho das pessoas. Como bispo e pastor tenho a missão de ensinar, santificar e governar a Igreja Diocesana. Trata-se de uma grande oportunidade e, ao mesmo tempo, um imenso desafio. Nossa Diocese está presente em doze municípios da região, com 16 paróquias, um santuário e uma rede de comunidades. Temos aproximadamente 250 comunidades eclesiais e uma diversidade de pastorais, movimentos e serviços.

Escolhi como lema de minha missão diocesana, a passagem do Evangelho de Marcos: “Eu vim para servir” (Mc 10,45). Este é meu lema episco- pal, que me coloca em sintonia com Jesus Cristo e sua missão. O próprio Jesus declara que não veio para ser servido, mas para servir e mostrou isso evangelizando os pobres, aliviando o sofrimento das pessoas e, inclusive, lavando os pés dos Após- tolos. O ministério do bispo se liga à prática de Jesus e demanda que se tenha grande afeição ao seu Evangelho, no desejo de experimentar a sua inspiração e participar de sua alegria no serviço aos irmãos. No desejo de servir ao povo que me foi confiado, como servo e pastor, convido-os para serem comigo, um povo servidor, cada um abrindo-se ao outro em espírito de ajuda solidária tendo como referência a vida e a ação de Jesus.

Assumi o ministério episcopal na mais profunda comunhão eclesial: com a porção do povo de Deus a mim confiado, com o clero, os religiosos e religiosas da Diocese; com o colégio episcopal, articulado, em nosso país, pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e em especial comunhão com o Papa Francisco, Bispo de Roma que, desde a antiga tradição, é o “servo dos servos de Deus”. Estou ciente que precisamos somar com as di- versas organizações, que atuam em prol do bem comum, presentes em nossa sociedade. Além de todas as iniciativas eclesiais, pretendo interagir com outras instituições protagonistas de desenvolvimento humano e solidário de nossa região. Irmanados com diversas lideranças, de diferentes setores, poderemos criar, ampliar e contribuir para que a dignidade prevaleça no meio de nós.

Nesse ano de 2019, como iniciante na missão episcopal, priorizarei o conhecimento de cada realidade existente na vida e missão de nossa diocese. Portanto, nesse mesmo período estarei participando de cursos e atividades ligados à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e no Vaticano, com atividades direcionadas a missão do Bispo, e, na oportunidade, teremos encontro com o Papa Francisco. Concluindo minha participação, faço novamente uso das inspiradoras palavras do Papa: “Que nada nos tire a alegria, que nada nos tire a paz, que nada nos tire a esperança”!

Dom Frei Cleonir PauloDalbosco
Bispo Diocesano

.