Boletim Participação

Atualização:Janeiro/Fevereiro 2018










MENSAGEM PARA O 51º DIA MUNDIAL DA PAZ


O tema da 51ª Mensagem para o dia Mundial da Paz a ser celebrado no dia 1º de Janeiro de 2018 é: “Migrantes e refugiados: homens e mulheres em busca de paz”.

Segundo o Papa, o espírito da misericórdia deve conduzir a todos a abraçar “(...)aqueles que fogem da guerra e da fome ou se veem constrangidos a deixar a própria terra por causa de discriminações, perseguições, pobreza e degradação ambiental”.

Migrantes e refugiados: homens e mulheres em busca de paz;


Paz a todas as pessoas e a todas as nações da terra! A paz, que os anjos anunciam aos pastores na noite de Natal, é uma aspiração profunda de todas as pessoas e de todos os povos, sobretudo de quantos padecem mais duramente pela sua falta.

  Dentre estes, que trago presente nos meus pensamentos e na minha oração, quero recordar de novo os mais de 250 milhões de migrantes no mundo, dos quais 22 milhões e meio são refugiados.
Estes últimos, como afirmou o meu amado predecessor Bento XVI, “são homens e mulheres, crianças, jovens e idosos que procuram um lugar onde viver em paz”. E, para o encontrar, muitos deles estão prontos a arriscar a vida numa viagem que se revela, em grande parte dos casos, longa e perigosa, a sujeitar-se a fadigas e sofrimentos, a enfrentar arames farpados e muros erguidos para os manter longe da meta.

Inspiram-nos as palavras de São João Paulo II: “Se o “sonho” de um mundo em paz é partilhado por tantas pessoas, se se valoriza o contributo dos migrantes e dos refugiados, a humanidade pode tornar-se sempre mais família de todos e a nossa terra uma real “casa comum”. Ao longo da história, muitos acreditaram neste “sonho” e as suas realizações testemunham que não se trata duma utopia irrealizável.

 

Nomeações e Transferências

DIOCESE DE BAGÉ
CÚRIA DIOCESANA
TRANSFERÊNCIAS E NOMEAÇÕES
DOM GILIO FELICIO.


Bispo da Diocese de Bagé, no uso de suas atribuições, tendo ouvido o conselho de presbíteros e posteriormente consultado os padres e seminaristas que aqui serão citados, percebendo as necessidades e o cuidado pastoral com a Família Diocesana no momento atual, oficializa as novas transferências e nomeações:

-Padre Luciano Gouvea será vigário paroquial da Paróquia Sant’Ana, em Santana do Livramento, assumindo a nova missão até o dia 10 de dezembro de 2017.

-Padre Leandro Dias Lopes será vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em Santana do Livramento, a partir do mês de fevereiro de 2018.

  -Padre Frei Júlio Cesar Ribeiro será Administrador da Paróquia São Judas Tadeu, em Bagé, a partir do dia 15 de janeiro de 2018.

-Padre Roberto Carlos Barbosa permanecerá como pároco da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em Santana do Livramento, mas residirá no Bispado em Bagé, a partir do dia 04 de dezembro de 2017, assumindo também o cargo de Vigário Geral.

-Seminarista Fábio Augusto Santos da Silva, após concluir as atividades acadêmicas de Teologia no Instituto de Teologia Paulo VI, no Seminário São Francisco de Paula, em Pelotas, residirá na Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio, em Dom Pedrito, auxiliando o padre Alex José Kloppenburg e coordenando o Serviço de Animação Vocacional da Diocese.

- Seminarista Danilo Alves Rodrigues, após ter concluído o Curso de Filosofia e realizado um ano de acompanhamento pastoral na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em Santana do Livramento, iniciará o Curso de Teologia em Pelotas e realizará o seu estágio pastoral na Paróquia Nossa Senhora da Luz, em Pinheiro Machado, sob o acompanhamento do Padre Edegar Barrozo, a partir do mês de fevereiro de 2018. Dom Gilio Felício Bispo Diocesano de Bagé  

Bagé, aos 18 de novembro de 2017



Dom Gilio Felício
Bispo Diocesano de Bagé









A Campanha da Fraternidade é realizada todos os anos pela Igreja Católica no Brasil durante o período da Quaresma, sendo coordenada pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. O Tema da Campanha da Fraternidade 2018 é: “Fraternidade e superação da violência, tendo como lema: “Vós sois todos irmãos (Mt 23,8)”.





Conforme o Texto-base da CF 2018, este tema pretende considerar que a violência nunca constitui uma solução justa para os problemas da sociedade. No Brasil, este tema tornou-se uma das realidades mais discutidas. Como superar a violência? A questão da segurança pública é somente um problema de polícia ou requer a participação de todos? A Igreja, com a convicção de sua fé em Cristo e com a consciência de sua missão, reafirma que a violência somente destrói aquilo que ambiciona defender, ou seja, a dignidade, a vida, a liberdade de todos.

“A violência atinge toda a sociedade brasileira em suas múltiplas esferas; o caminho para superar a violência é a fraternidade entre as pessoas que se unem para implementar a cultura da paz”.
Sendo assim, “somos convocados a viver a prática de Jesus no exercício da escuta, da saída missionária, do acolhimento, do diálogo, do anúncio e da denúncia da violência na dimensão social e pessoal. A lógica do amor é o único instrumento eficaz diante das ações violentas”. Conforme ainda o Texto-base, muitas ações podem ser realizadas na busca da superação da violência como o fortalecimento do ambiente familiar, da convivência humana em pequenas comunidades, a oração e a espiritualidade, assim como, políticas públicas que promovam a cultura da paz e do diálogo.

Portanto, a Campanha da Fraternidade, abordando esta realidade da violência, deseja que todos os cristãos se tornem verdadeiros construtores da paz a partir de gestos de solidariedade para com aqueles que mais necessitam. Afinal, “superar a violência é tarefa de todo o cristão, pois recebemos o mandamento do amor como vocação e missão”. A Campanha da Fraternidade também se expressa concretamente pela oferta de doações na coleta da solidariedade realizada sempre no Domingo de Ramos. Este é um gesto concreto de partilha, solidariedade, feito em âmbito nacional, em todas as comunidades cristãs.












Estepa XI






A Diocese de Bagé realiza de 07 a 13 de janeiro/18, a 3ª etapa da Escola de Teologia Pastoral (ESTEPA) que já está na XI edição. Os estudos serão realizados no Espaço Solidário Bem-Aventurada Ir Dulce dos Pobres, na Ação Social Diocesana. A Estepa que já vem sendo realizada por mais de 20 anos, oferecendo formação teológica com duração de dois anos, durante uma semana no período de férias escolares (janeiro e julho) para lideranças que atuam na área da Educação e na caminhada evangelizadora das Paróquias da Dioceses.

Em cada etapa os participantes aprofundam conteúdos específicos da Bíblia Sagrada, Magistério da Igreja e Documentos Pastorais. A 3ª etapa prevê o aprofundamento dos seguintes temas:
  • Dia 08/01/18 - ECLESIOLOGIA – Assessoria -Pe Alex José Kloppenburg
  • Oficina III de Liturgia – Assessoria - Denise Quadros de Lima

  • Dia 09/01/18 - CARTAS PAULINAS – Assessoria - Pe Airton Machado Gusmão Oficina III de Metodologia Pastoral – Assessoria - Nilza Mar de Macedo


  • Dia 10/01/18- INTRODUÇÃO AO DIREITO CANÔNICO – Assessoria - Frei Orestes Serra


  • Dia 11/01/18 - MISSIOLOGIA – Assessoria - Sandra Zambon


  • Dia 12/01/18 - APOCALIPSE – O LIVRO DA ESPERANÇA – Assessoria - Carlos Rodrigo Dutra


  • Dia 13/01/18 – Estudo do Tema da Campanha da Fraternidade 2018 – Fraternidade e Superação da Violência; Avaliação da semana e Planejamento da última etapa.


A formação de agentes é uma prioridade permanente para a Diocese de Bagé. A ESTEPA recebe grande apoio dos Padres e das Paróquias com suas Comunidades e dos próprios cursistas que se dedicam aos estudos e perseveram nos dois anos de formação.
A conclusão da ESTEPA XI será de 22 a 28 de julho com a realização de uma Jornada Teológica.










14 º Intereclesial das CEBs




Londrina vai sediar, de 23 a 27 de janeiro de 2018, o 14º Intereclesial das CEBs (Comunidades Eclesiais de Base), que deve reunir cerca de 3.300 participantes de todo o Brasil, representantes das CEBs dos países do Conesul e parceiros das Igrejas da Europa.

O encontro terá como tema “As CEBs e os desafios no mundo urbano” e lema “Eu vi, ouvi os clamores do meu povo e desci para libertá-lo” (Êxodo, 3,7). “A sociedade tem de estar preparada para lidar com os problemas atuais e, acima de tudo, pensar e refletir as soluções para enfrentar essas dificuldades”, afirma Dirceu Fumagalli, da Formação e Articulação das Equipes de Serviços do 14º Intereclesial. “A Igreja tem o compromisso de ajudar na formação e na articulação de seus membros para pensar essas soluções.”  

O encontro intereclesial das CEBs terá uma metodologia de trabalho, baseada no método “Ver, Julgar e Agir. Para ampliar as reflexões dos desafios, o encontro terá 13 mini plenárias que vão discutir temas como acesso e condições de moradia; mobilidade urbana; formação e educação; acesso e participação na cultura e lazer; trabalho e emprego; juventude; ecologia; saúde e saneamento; violência e segurança; direito à comunicação; diálogo inter-religioso; movimentos e organizações sociais e populares; democratização e participação na política.

A Diocese de Bagé estará presente com seis delegados, representantes das quatro Áreas Pastorais.


 



Iniciação à Vida Cristã



" Atenção Catequistas – Momentos de Formação 2018

Estimadas/os Catequistas: anotem em suas agendas estas datas:

2ª Escola Catequética: Será realizada de 19 a 23 de Fevereiro a 2ª Escola Catequética de formação com a participação das/dos catequistas de todas as Paróquias da cidade de Bagé, mas aberta para as outras paróquias de fora de Bagé. Local: Salão da Catedral - Horário: 19h30min às 21h30min. As Paróquias que já tem em seu planejamento reunir os catequistas para encontros de formação continuem a realizá-los. Importante que se realize encontros mensais ou conforme planejamento paroquial.

Assembleia Diocesana da Animação Bíblico Catequética: Muito importante a realização de uma Assembleia Diocesana da Animação Bíblico Catequética para avaliar e planejar a caminhada catequética Diocesana. Será no dia 24 de Fevereiro das 9 às 16h no Salão da Catedral. As Coordenações Paroquiais de Catequese de todas as Paróquias deverão participar.

8ª Jornada Diocesana de Catequese Realizaremos a 8ª Jornada Catequética Diocesana de Catequese no dia 17 de Junho (Domingo) na Paróquia do Arcanjo São Gabriel, em São Gabriel, com a participação de todos os catequistas.

Um abençoado Ano de 2018!

Ir. Renata Biasibetti
Coordenação Diocesana de Catequese



SAV - Bagé





O Regional Sul 3 da CNBB assumiu junto com os Estados de Santa Catarina e Paraná o projeto intitulado: “Cada comunidade uma nova vocação”. Este projeto tem o objetivo de suscitar uma cultura vocacional em toda a Igreja para despertar as mais variadas vocações. Esta ação evangelizadora terá dois eixos principais: a oração pelas vocações e a divulgação de testemunhos vocacionais nos meios de comunicação social.

  A oração pelas vocações é, sem dúvida alguma, o mais importante gesto em favor das vocações. O Papa Francisco, em discurso à Conferência Episcopal Italiana disse: “Jesus nos disse que o primeiro método para obter vocações é a oração e nem todos são convencidos disso”. Outro ponto fundamental do projeto é o testemunho.  

  Muitos jovens são atraídos para uma vocação de especial consagração através de bons testemunhos de padres e religiosos (as). Por isso, é importante que todos, a partir deste projeto, tenham uma alegre proximidade com os jovens, nas palavras do Papa: “percam tempo com os jovens” para que estes possam sentir-se atraídos a assumir a sua vocação”. Que Maria, primeira vocacionada, ilumine e inspire todos os jovens para que, a exemplo dela, possam dar seu sim ao chamado de Deus com muita alegria e entusiasmo.

Maria, mãe dos vocacionados, rogai por nós!

   

41ª ROMARIA DA TERRA 2018


Mulheres Terra
Resistência, Cuidado e Diversidade







A Romaria da Terra é a grande celebração da partilha da Terra e dos frutos da Reforma Agrária. Um momento de reafirmar nosso compromisso com a luta pela Reforma Agrária, com a produção agroecológica de alimentos saudáveis e com o cuidado da Terra e dos povos da Terra. Esta Romaria sempre acontece na terça-feira de Carnaval, por ocasião do aniversário da morte de Sepé Tiarajú. O encontro passa por todo o Estado do Rio Grande do sul, pautando sempre questões ligadas à terra, ao pequeno produtor, à agroecologia, o cuidado com a água e com o meio ambiente.

A 41ª Romaria da Terra acontecerá no dia 13 de Fevereiro na comunidade de Rio de Dentro, no município de Mampituba. O tema desta 41ª Romaria pela primeira vez em 40 anos de história das Romarias, coloca em destaque a relação das mulheres com a terra, sua luta por mais espaço na sociedade e também suas denúncias contra violências sofridas.

Todos são convidados a celebrar a vida, a luta pela terra, as conquistas na busca de uma sociedade mais fraterna e justa para todos. Todas as comunidades são convidadas a montar sua caravana e participar!



Oração da 41ª Romaria da Terra:

Deus, mãe e pai, fonte de ternura, olha esse teu povo que se põe em romaria! Suas filhas e filhos querem Te bendizer, nesta caminhada de Luta e Resistência rumo à terra do bem viver. Inspirados por tantas mulheres, também por Rute e Noemi, queremos refletir e rezar sobre este tema: “Mulheres Terra”. Elas nos conduzem na Diversidade! Deus, que és força e fonte da esperança, abençoa e fortalece nossa Romaria. Nosso caminhar seja por causa da Terra, nossa Irmã, que criaste com tanto carinho. Amém!







São Sebastião





São Sebastião era natural de Narbonne, na Gália (atual França) e fora criado em Milão, na Itália, na época cidade da cultura e do luxo e uma das sedes do império romano. Infelizmente as Atas do martírio originais se perderam. O que sabemos de S. Sebastião nos vêm de uma cópia das atas escrita no século V. Provavelmente São Sebastião teria nascido por volta do ano de 256 e sua morte deve ter acontecido entre os anos de 287 a 304. Assim, embora desde a Renascença na iconografia São Sebastião seja representado como um jovem oficial, na iconografia mais antiga ele é representado por um militar de meia idade, com barba branca e vestes palaciais.  

  Ao contrário de muitos soldados que se converteram à Igreja, Sebastião já era de uma família católica praticante e, vendo as perseguições que os cristãos passavam, resolvera alistar-se no exército para melhor servir os irmãos encarcerados. Sua prontidão e habilidades no serviço fizeram com que ele fosse promovido a comandante da guarda imperial. Tendo caído nas graças do imperador, Sebastião tornou-se um comandante importante e reconhecido. Tendo entrada franca em todas as prisões Sebastião visitava os cristãos vítimas do ódio e rancor e animava aqueles que receberiam o martírio a permanecerem firmes na fé. Nesse tempo os cristãos, que eram considerados cidadãos de segunda classe, tinham que dar mostras públicas ao Estado que respeitavam e adoravam o imperador e os deuses romanos. Para tanto, se não quisessem ter seus bens confiscados e serem mortos, deveriam, diante de algum juiz ou governador, queimar um pouco de incenso aos deuses. Se tal fizessem receberiam um papel certificando que poderiam viver tranquilos. Em meios às perseguições dos imperadores Diocleciano e Maximiano, muitos cristãos fingiram queimar o incenso aos deuses, outros, de fato, apostataram e abandonaram a fé cristã; a grande maioria, no entanto, se negou e foi martirizada.

    Entre aqueles que não tiveram a coragem para permanecer cristãos estavam dois irmãos, Marco e Marceliano. Quando São Sebastião soube da apostasia foi até eles e os incentivou a permanecerem firmes na fé, a renunciar os falsos deuses e a pedir o perdão da comunidade pelo mau exemplo que deram. Muitos cristãos e não cristãos assistiram a pregação de Sebastião, entre elas uma mulher de nome Zoe, esposa de um importante funcionário imperial de nome Nicóstrato. Ao ouvir a pregação de São Sebastião sobre a fé cristã, Zoe, que era muda, ajoelhada aos pés de Sebastião, tentava dizer algo com sinais. São Sebastião traçou sobre ela o sinal da cruz e Zoe pode dizer suas primeiras palavras pedindo o batismo. Com ela, seu esposo Nicóstrato, os irmãos Marco e Marceliano e seus pais, os presos, o carcereiro de nome Cláudio e uma multidão maravilhada pelo milagre, também pediu o batismo. Todos foram batizados pelo sacerdote Policarpo, às escondidas, na casa de Nicóstrato. A notícia de que muitos, após o batismo, foram curados de seus males físicos chegou aos ouvidos do prefeito Cromácio, um homem poderoso, mas muito enfermo, que pediu a Sebastião para receber a catequese e o batismo. O prefeito Cromácio ficou tão feliz de ter sido curado e de receber o batismo que mandou soltar todos os cristãos presos em todas as prisões; renunciou a seu cargo e retirou-se à sua casa de campo onde passou a acolher os cristãos que fugiam da perseguição

As demais autoridades imperiais e o próprio imperador Diocleciano, ao saber dessas notícias, aumentaram ainda mais a perseguição e morte dos cristãos. Diocleciano convoca Sebastião e exige, por amor à Roma e ao império que pare de atender os cristãos encarcerados e que renuncie a fé cristã. Todas as tentativas e ameaças em nada fizeram Sebastião mudar suas convicções e sua fé. Condenado, Sebastião é levado à uma árvore onde deveria ser amarrado e morto por flechas. Para a morte do flechas, normalmente, os soldados lançavam apenas uma, diretamente no coração do condenado. Para fazer sofrer e matar Sebastião os soldados receberam ordens de lançar tantas flechas quantas quisessem, pois ele era considerado traidor do exército e do império.

Após cravejarem seu corpo com dezenas de flechas, os soldados o deixaram ali mesmo, considerando-o já morto. Na madrugada, Irene, esposa do mártir Castulo, junto a outras mulheres e homens foram buscar o corpo para dar-lhe sepultura. Ao recolherem o corpo de Sebastião perceberam que ele ainda vivia. Após alguns dias sendo cuidado e tratado, Sebastião pode voltar e procurar o imperador. Sem sequer marcar audiência Sebastião compareceu diante do imperador, vivo e saudável para o espanto de todos. Diocleciano pensava tratar-se de um fantasma que viera assombrar-lhe, ao que ouviu Sebastião dizer-lhe: "Sou Sebastião e do fato de eu estar vivo, devias concluir que é poderoso o Deus a quem adoro e sirvo e que não fazes bem em perseguir-lhe os servos".

Mais enfurecido ainda, Diocleciano ordena a prisão e morte imediata de Sebastião e a posterior destruição de seu corpo para que os cristãos não guardassem nenhuma relíquia. Sebastião é levado ao Foro, o local mais importante e frequentado da cidade, e lá é morto à pauladas e azoragues com bolas de chumbo. Para evitar a veneração do corpo, os soldados jogaram-no na Cloaca Máxima, a rede de esgotos e de toda imundície de Roma. Um piedosa cristã, de nome Luciana, recolheu o corpo da imundície, lavou-o, perfumou-o e o enterrou junto aos túmulos de S. Pedro e S. Paulo. A perseguição aos cristãos, que já era violenta, iria aumentar ainda muito mais. No entanto, a veneração de Sebastião só cresceu, pois seu exemplo de vida dedicada aos sofredores e perseguidos, seu amor à Igreja e o senso de pertencimento à comunidade, fizeram com que fosse elevado como modelo para todos os tempos de amor a Cristo e aos irmãos.

São Sebastião, patrono da Diocese de Bagé, rogai por nós!



Pastoral da Juventude!! :)





SAV- Bagé  

  Nos dias 19 e 26 de novembro de 2017 nos reunimos juntamente com a juventude de Dom Pedrito (19) e Santana do Livramento (26), para partilharmos nossas angústias e alegrias que enfrentamos em nossa caminhada pastoral. Foi um momento de muita aprendizagem e comprometimento, de fortalecer os laços da juventude e firmar os compromissos de nossa missionariedade; percebendo que juntos somos mais fortes, resistindo na busca de espaço nas Comunidades e de uma Igreja Jovem.





    Alô Juventude do RS! Inscrição liberada para o 13º Acampamento da Juventude que ocorre vinculado à 41ª Romaria da Terra do RS.

Dia: 11 e 12 de fevereiro de 2018 – Mampituba/RS (Diocese de Osório) Realize a sua inscrição em https://goo.gl/sjwDbC Nosso objetivo é realizar um processo de animação e interação sobre a história das Romarias da Terra e os Acampamentos da Juventude, que nesta edição, coloca as mulheres como tema central do debate, desafiando a juventude ao engajamento nas lutas e ações voltadas a defesa da Mãe Terra. Vamos possibilitar o protagonismo da juventude e a efetiva vivência da partilha e comunhão.

O que levar ao Acampamento? Barraca, colchão, lençol, travesseiro, cobertor, Kit militante
(prato, garfo, faca, caneca) material de higiene pessoal, protetor solar e repelente.
Valor da inscrição: R$ 10,00 (a ser pago na recepção do Acampamento.)